O Brasil chegou a 5,66 milhões de casos acumulados de infecção pelo novo coronavírus. Nas últimas 24 horas, foram 10.554 novos registros confirmados de covid-19, totalizando 5.664.115. Os dados são do boletim do Ministério da Saúde, divulgado no fim da tarde deste domingo (8).

De acordo como Ministério da Saúde, o total de mortes em razão da pandemia é de 162.397. Nas últimas 24 horas, as secretarias de saúde acrescentaram às estatísticas 128 novos óbitos.

O estado de São Paulo é o maior em número de casos e mortes pelo novo coronavírus no país, desde o início da pandemia. Ao todo, o estado acumula 1.125.936 casos confirmados de covid-19 e 39.717 mortes. 

 

 

Fonte: PB/Agência  Foto: Fiocruz

 

Brasil - Secretarias estaduais e municipais de saúde notificaram 816 mortes por covid-19 nas últimas 24 horas. Com as informações divulgadas pelo Ministério da Saúde, neste sábado (16), o Brasil tem agora 15.633 óbitos desde o primeiro registro oficial da doença. A taxa de letalidade, que é o percentual de vítimas fatais entre indivíduos contaminados, está em 6,7%.

Já o número de infectados cresceu 14.919, de ontem para hoje. Agora são 233.142 pessoas diagnosticadas com a doença provocada pelo novo coronavírus, sendo que, segundo o governo federal, 89.672 estão recuperadas. O país ultrapassou a Itália (224.760) e, agora, é o 5º em casos confirmados no mundo. 

Há também 127.837 ocorrências em acompanhamento e 2.304 óbitos em investigação. "São considerados como 'em acompanhamento' todos os casos notificados nos últimos 14 dias pelas Secretarias Estaduais de Saúde e que não evoluíram para óbito", explica Ministério da Saúde.

 
 

São Paulo

Índice de ocupação dos leitos de UTI está em 89% na cidade de São Paulo
 

Índice de ocupação dos leitos de UTI está em 89% na cidade de São Paulo

Divulgação / Allegra Pacaembu

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O estado de São Paulo ainda é o mais afetado pela pandemia do novo coronavírus, com 61.183 infectados e 4.688 óbitos. Só na capital paulista, segundo a Secretaria Municipal de Saúde, foram confirmados 2.766 óbitos e 38.479 casos da doença desde o início da crise sanitária. 

A taxa de ocupação dos leitos de UTI (Unidade de Tratamento Intensivo) destinados a atender pacientes com covid-19 está em 89% na cidade —maior índice de todo o estado. 

Casos e óbitos por estado da federação

São Paulo: 61.183 casos (4.688 mortes)
Ceará: 23.795 casos (1.614 mortes)
Rio de Janeiro: 21.601 casos (2.614 mortes)
Amazonas: 19.677 casos (1.375 mortes)
Pernambuco: 18.488 casos (1.461 mortes)
Pará: 13.184 casos (1.199 mortes)
Maranhão: 11.592 casos (524 mortes)
Bahia: 8.314 casos (286 mortes)
Espírito Santo: 6.595 casos (271 mortes)
Santa Catarina: 4.678 casos (81 mortes)
Minas Gerais: 4.474 casos (150 mortes)
Distrito Federal: 4.140 casos (56 mortes)
Paraíba: 4.063 casos (183 mortes)
Amapá: 3.834 casos (108 mortes)
Rio Grande do Sul: 3.695 casos (132 mortes)
Alagoas: 3.593 casos (199 mortes)
Sergipe: 3.135 casos (53 mortes)
Rio Grande do Norte: 3.004 casos (136 mortes)
Paraná: 2.242 casos (123 mortes)
Piauí: 2.085 casos (65 mortes)
Rondônia: 1.919 casos (69 mortes)
Acre: 1.867 casos (59 mortes)
Roraima: 1.706 casos (49 mortes)
Goiás: 1.640 casos (69 mortes)
Tocantins: 1.279 casos (27 mortes)
Mato Grosso: 851 casos (27 mortes)
Mato Grosso do Sul: 508 casos (15 mortes)

 Fonte:PortaldoBanzeiro/MinistériodaSaúde/Foto:Divulgação

Segunda-feira, 08 de junho

 

Diara e Wolfgang são surpreendidos por um capataz. Peter conta sobre o estado de Joaquim para Amália. Libério invade a casa de Sebastião e Cecília se desespera. Madre Assunção e as freiras procuram por Amália. Tibiriçá anuncia que Piatã deve se tornar Pajé. Narcisa orienta Leopoldina a ficar perto de Dom Pedro. Domitila decide ir à cerimônia do beija-mão e Dom Pedro se incomoda. Joaquim fala para Bonifácio que acredita que foi Thomas quem disparou contra ele. Elvira enfrenta Thomas.

 

Terça-feira, 09 de junho

Jacira faz uma armadilha para encontrar Piatã. Liu conta para Anna que ouviu Thomas discutindo com uma mulher. Cecília se recusa a comer, e Idalina e Matias se preocupam. Narcisa pede para Lurdes ensiná-la a jogar bilhar. Wolfgang convida Ferdinando para se hospedar em sua casa. Peter avisa a Cecília que Amália fugiu do convento e está em sua casa. Piatã conta para Jacira que Tibiriçá quer que ele seja Pajé. Bonifácio ajuda Anna e Joaquim a se encontrarem. Thomas aparece na sala onde Anna e Joaquim estão escondidos.

 

Quarta-feira,10 de junho


Sem perceber a presença de Thomas, Anna e Joaquim combinam de fugir. Cecília chora ao ver Libério. Leopoldina pensa em hospedar Narcisa no Solar da família. Dom Pedro dá o anel de Patrício para Domitila. Sebastião e outros fazendeiros se revoltam com a fuga dos escravizados. Germana e Licurgo tentam convencer Hugo a entrar no quarto de Thomas. Peter fica impressionado com a mudança no comportamento de Amália. Piatã tem um sonho com sua irmã. Thomas usa Vitória para ameaçar Anna.

Quinta-feira, 11 de junho


Elvira ameaça ir com Quinzinho para Portugal. Anna se desespera quando Thomas se tranca no quarto com Vitória. Wolfgang sugere que Diara vá com Ferdinando ao palácio. Cecília visita Amália. Peter e Libério conversam com Pedro sobre a Independência do Brasil. Joaquim recebe um recado de Anna para encontrá-lo. Bonifácio repreende Dom Pedro por suas atitudes. Hugo pede para Elvira fazer uma encenação para ele. Joaquim encontra Thomas no lugar de Anna.

Sexta-feira, 12 de junho


Joaquim teme pela vida de Anna e conta para Bonifácio seu acordo com Thomas. Ferdinando e Diara lembram seu primeiro encontro e Wolfgang se incomoda. Thomas apresenta Sebastião para Anna como seu sócio. Leopoldina cuida de Dom Pedro e os dois se amam. Thomas insinua que o pai de Anna está vivo e Liu ouve a conversa. Piatã avisa a Jacira que não pode ficar com ela. Ferdinando entrega a carta de Piatã para Anna. Narcisa percebe que a amante de Dom Pedro mora no Solar. Joaquim descobre que não é pai de Quinzinho.

Sábado, 13 de junho


Joaquim parte com Quinzinho, deixando Elvira desesperada. Rosa ajuda Domitila a se arrumar para o encontro com Dom Pedro. Thomas intercepta a carta de Piatã e Anna fica revoltada. Elvira conta para Thomas que Joaquim a ameaçou e pede mais dinheiro para fugir com Quinzinho. Domitila surpreende Dom Pedro. Leopoldina fica desconfortável na presença de Narcisa. Bonifácio manda Domitila embora a pedido de Dom Pedro. Peter inicia um novo tratamento com Amália. Joaquim volta à taberna e Hugo o questiona sobre Elvira. Elvira é atacada por Jacinto.

 

 

 

 

Brasil - O ministro da Educação, Abraham Weintraub, tem defendido a manutenção das datas da prova, argumentando que a crise de saúde tende a passar até novembro e que "é cedo para desistirmos do ano" escolar.As inscrições do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) começaram nesta segunda-feira (11/05) em meio a discussões sobre se a prova — agendada para 1º e 8 de novembro, na versão impressa, e 22 e 29 de novembro, na versão digital, com provas em computador feitas em locais definidos pelo Ministério da Educação — deveria ser adiada, no momento em que praticamente todas as escolas do país estão fechadas e os alunos estão tendo que estudar remotamente por conta da pandemia do novo coronavírus.

Críticos afirmam que, nas atuais circunstâncias, manter as datas de prova vai prejudicar desproporcionalmente mais os alunos carentes, que estão tendo maiores dificuldades em ter acesso a conteúdo digital e a uma rotina de estudos sem as aulas presenciais.

Embora o Brasil não esteja sozinho na manutenção de seus exames nacionais estudantis, o país é parte de um grupo minoritário. Um levantamento da Unesco (braço da ONU para a educação) de 11 de abril (e, portanto, sujeito a atualizações, uma vez que os cenários nacionais estão mudando constantemente) aponta que cerca de 20 países decidiram manter todos ou parte de seus exames — além de Brasil, estão no grupo Alemanha, Finlândia, Nova Zelândia, Colômbia e Costa Rica, entre outros.

E é importante destacar que alguns países, como Alemanha, Finlândia e Colômbia, aparecem mais de uma vez na listagem, por terem mais de um exame sendo levado em consideração pela Unesco ou por adotarem múltiplas estratégias simultaneamente nos âmbitos regionais.

escola vazia

 

No hemisfério norte, um agravante é o fato de muitas avaliações estarem inicialmente previstas para o fim do primeiro semestre (fim do ano letivo), período ainda crítico da pandemia em grande parte do mundo.

'Impacto no sistema educacional por meses'

Nos EUA, país com o maior número de casos (1,3 milhão até esta segunda-feira) e mortes (mais de 79 mil) por covid-19, o órgão US College Board afirmou que os exames SAT, que avaliam alunos concluindo o ensino médio, não serão mais realizados em 6 de junho.

"Se for seguro do ponto de vista de saúde pública, vamos aplicar o SAT mensalmente aos fins de semana até o fim do ano, a partir de agosto", diz a instituição.

No Reino Unido, foram canceladas as avaliações de admissão às universidades, sob o argumento de que a pandemia "deve continuar a ter um impacto significativo no sistema educacional e no país ao longo de meses".

"Por isso, cancelamos os exames para dar a alunos, pais e professores alguma certeza e permitir que escolas e universidades foquem em apoiar as crianças vulneráveis e as crianças dos trabalhadores essenciais (que continuam tendo aula no país)", diz comunicado do Departamento da Educação britânico. A admissão às universidades será feita de modo alternativo, com a mensuração de simulados e provas feitas anteriormente pelos estudantes.

Provas do SAT, exame americano

A França adiou por enquanto seus exames nacionais e de seleção de professores, argumentando que seria impossível realizá-los antes do fim de maio.

Na China, que começa a retomar a rotina após ter passado pelo pico da pademia, o exame gaokao, que deverá ser feito por estimados 10 milhões de estudantes em busca de vagas nas universidades, foi adiado em um mês, de junho para julho, segundo a imprensa estatal. A Província de Hubei (epicentro inicial do novo coronavírus) e Pequim terão calendários próprios para a prova.

Outros 30 países estão transferindo os exames para o ambiente virtual ou introduzindo avaliações e validações alternativas de aprendizado, segundo a compilação da Unesco.

Desigualdades de acesso

O órgão da ONU pede que, ao decidir se mantêm ou não seus exames nacionais, os países ponderem, acima de tudo, a "segurança, saúde e bem-estar emocional de estudantes e equipes educacionais", tomando as devidas medidas sanitárias — como distanciamento social de alunos, uso de máscaras e limpeza dos locais. Mas é preciso ir além disso, diz a Unesco.

"As decisões devem ser motivadas por preocupações com a justiça, a igualdade e a inclusão", afirma o documento da entidade.

"Avaliações e validações de aprendizado estudantil durante o período em que as escolas estão fechadas devem levar em conta desigualdades em acesso a estrutura de aprendizagem à distância, a recursos e à banda larga de internet."

No caso do Brasil, a questão da desigualdade de ensino é a mais levantada por críticos que defendem o adiamento do Enem.

Alunos chineses na volta às aulas em Guangzhou

"As condições de estudos dos alunos estão muito diferentes", argumenta Lucas Fernandes, gerente de estratégias políticas da organização Todos Pela Educação.

"Temos redes (estaduais e municipais) que conseguem oferecer ensino remoto e até oferecer pacotes de dados de internet para os alunos. E temos redes que ainda estão planejando o que fazer. Do ponto de vista dos alunos, as diferenças no acesso a computadores e a internet são as mais evidentes. Mas há também diferenças em literacia digital: pessoas mais vulneráveis podem ter acesso a celulares, mas não fazem uso frequente (para estudar) no dia a dia. As evidências mostram que, na hora das avaliações, esses estudantes menos letrados têm performance pior."

Fernandes agrega que as desigualdades já profundas na educação — e no acesso ao ensino superior — podem acabar agravadas pelas circunstâncias atuais.

"E o Enem não pode ser um mecanismo de aprofundamento dessas desigualdades. Historicamente, o Enem facilitou a entrada dos mais pobres na universidade. Ao optar por manter a data da prova, o Ministério da Educação vai no caminho contrário a isso."

Um adiamento, diz Fernandes, também daria ao Ministério da Educação mais tempo para planejar a logística do Enem caso seja necessário manter as medidas de distanciamento social entre os alunos na data da prova.

O ministro Abraham Weintraub, por sua vez, diz que o adiamento significaria fazer os jovens "perderem o ano" e frustraria "as expectativas de 5 milhões de brasileiros" (número estimado de inscritos no Enem). Ele também afirmou que "não fazer o Enem resultará em menos médicos, enfermeiros etc.".

Para Fernandes, do Todos Pela Educação, é provável que tenhamos menos formandos (ou que as formaturas sejam adiadas) independentemente da data do Enem, uma vez que as instituições de ensino superior também estão fechadas para aulas presenciais.

"O ideal seria um diálogo com universidades, com Estados e municípios para postergar o exame e também as datas de início das universidades (no ano que vem)", defende ele.

Pelo Twitter, em entrevistas e em sessões com parlamentares, Weintraub tem afirmado que a maioria dos jovens que presta o Enem já concluiu o ensino médio (caso de 58,7% dos que prestaram a prova de 2019, diz o ministro) — portanto, seria supostamente menos afetada pela ausência de aulas presenciais nas escolas — e que é preciso ocupar os estudantes em casa.

"Ou ele está estudando para o Enem ou é oficina do diabo. A gente tem que dar perspectiva. Se não tiver, você deixa esse jovem ser facilmente cooptado pelo crime ou pelos movimentos sociais organizados", afirmou em entrevista a um canal de YouTube.

A parlamentares, o ministro afirmou que a situação do Enem poderá ser reavaliada em agosto.

No âmbito legislativo, tramitam diversos projetos e emendas relacionados ao Enem 2020, ao menos três deles no Senado. Um deles, do senador Humberto Costa (PT-PE), pede que sejam estendidos prazos para que alunos possam pagar a taxa do Enem ou pedir isenção na taxa de inscrição.

Já projetos de Daniella Ribeiro (PP-PB) e Izalci Lucas (PSDB-DF) querem o adiamento da prova.

Jovem fazendo simulado do Enem, em foto de arquivo

O senador tucano defende que o calendário das provas só seja definido quando as aulas presenciais forem retomadas. "O Inep (órgão do Ministério da Educação responsável pelo Enem) deve se abster de datas ou aplicação de provas até a retomada das aulas do ensino médio", disse Izalci Lucas à Agência Senado. "Temos muitos alunos sem a mínima condição de receber seus conteúdos e não é razoável aplicar uma prova em que muitos serão prejudicados."

Na Câmara, um grupo de seis deputados propõe um decreto que faça deixar de vigorar os editais do Enem 2020 e, assim, force o governo a adiar a prova.

"A maioria das escolas particulares com alunos de classe média e alta continuaram seus estudos em casa, com aulas online, professores acompanhando exercícios, dúvidas, trabalhos escolares etc. No geral esses alunos têm melhores possibilidades de estudos em casa, com acesso a internet, computador, tablets e smartphones. Os alunos da rede pública de ensino, em sua maioria de baixa renda no Brasil, estão muito distantes dessa realidade de possibilidades de estudo e como consequência, de aprovação no Enem para ingresso nas universidades federais do país", diz o texto do projeto de decreto.

 

 

Fonte: PortaldoBanzeiro/BBCBrasil/Fotos:Getty Images

 

 

 

Desde esta terça (17/3), as entrevistas rotineiras de visto de imigrantes e não imigrantes feitas para a obtenção do direito de entrada nos Estados Unidos estão suspensas no Brasil. A precaução foi tomada em virtude da pandemia de coronavírus, que já infectou mais de 160 mil pessoas em todo o mundo.

EUA cancelam entrevistas de visto no Brasil

A medida inclui todos os consulados do País: Porto Alegre (RS), Recife (PE), São Paulo (SP) e Rio de Janeiro (RJ). Segundo a embaixada, ainda não existe uma data para que os atendimentos sejam retomados.

Para quem já iniciou o processo, a embaixada informou que a taxa paga para solicitação de visto tem validade de um ano a partir da data do pagamento. Com isso, um novo agendamento poderá ser feito respeitando o prazo. Ainda não se sabe quando os serviços voltarão ao normal, mas a ideia é retomá-los o quanto antes.

 

PortaldoBanzeiro/RotadeFérias/Foto:Divulgação

Os cidadãos que possuem algum assunto de emergência para tratar nos EUA têm a possibilidade de entrar em contato com o Departamento de Estado do país para solicitar um procedimento de emergência.

 

O Ministério da Saúde confirmou neste sábado mais seis casos do novo coronavírus no país, passando de 13 para 19 diagnósticos confirmados. Há registros em São Paulo (13), Rio de Janeiro (2), Bahia (2), Espírito Santo (1) e Distrito Federal (1).

Em Brasília, uma paciente (de identidade não divulgada) está em estado grave na unidade de terapia intensiva do hospital regional da Asa Norte, e respira com ajuda de aparelhos. "Ela apresenta síndrome respiratória aguda severa e tem comorbidades, que agravam o quadro clínico", afirma boletim médico divulgado pela secretaria da saúde do DF.

Há 673 casos sob suspeita no país — outros 601 já foram descartados.

Os casos considerados suspeitos são aqueles que envolvem pacientes que estiveram em regiões com risco de transmissão de coronavírus e que tenham apresentado sintomas como febre e algum problema respiratório, como tosse, ao retornar ao Brasil.

Na tarde de sexta-feira, foram confirmados quatro casos, todos em São Paulo, de pessoas que contraíram o novo coronavírus no exterior. Esses pacientes, conforme o Ministério da Saúde, viajaram recentemente para países como Estados Unidos, Itália e Reino Unido — não foram especificados detalhes de cada caso. Nesta sexta de manhã havia sido confirmado também o caso na Bahia.

 

Na quinta-feira (5), o Ministério da Saúde confirmou que há transmissão local registrada a partir do primeiro caso confirmado no Brasil. Duas pessoas ligadas ao homem de 61 anos — a principal suspeita é de que sejam parentes dele — foram diagnosticadas com a covid-19, a doença causada pelo novo coronavírus.

Confirmada neste sábado, a segunda paciente do Rio, de 52 anos, é moradora da capital do Estado e apresentava sintomas de quadro viral desde o retorno de uma viagem à Itália, na última quarta-feira, 4 de março.

Ainda não há a chamada "transmissão comunitária" — quando o vírus circula no país e não se consegue mais rastrear a origem dos casos —, mas o surgimento dela é "questão de dias", disse em entrevista coletiva o secretário substituto de Vigilância em Saúde do ministério, Julio Henrique Rosa Croda.

As informações iniciais apontavam que os brasileiros diagnosticados com o vírus não tinham sintomas graves — a adolescente de 13 anos é considerada assintomática, por não apresentar sinais da covid-19, apesar de estar com o vírus.

Os pacientes, que não tiveram suas identidades divulgadas, permanecem por, ao menos, 14 dias em quarentena em suas casas — a medida é orientada pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

Nesta sexta-feira, o Ministério da Saúde divulgou que não irá mais considerar "países com risco de transmissão" e passará a adotar como critério para caso suspeito do novo coronavírus aqueles que envolverem pessoas com sintomas que tenham feito viagens internacionais nos últimos 14 dias, principalmente para países da América do Norte, Europa, Ásia ou para a Austrália.

O novo coronavírus já chegou a mais de 90 países e a todos os continentes exceto a Antártida. O vírus já infectou mais de 102 mil pessoas e levou cerca de 3,2 mil delas à morte.

A OMS estima que 3,4% dos pacientes morrem por causa da covid-19, a doença causada por este vírus. Mas especialistas estimam que essa taxa de letalidade gire em torno de 2%, ou menos.

O primeiro caso

O primeiro paciente diagnosticado no Brasil com o novo coronavírus viajou a trabalho à região italiana da Lombardia, a mais afetada do país europeu, entre os dias 9 e 21 de fevereiro. Ele, que é um empresário, retornou ao Brasil com sintomas como febre, tosse seca, dor de garganta e coriza.

Analisando exame de coronavírus

 

No hospital, em 24 de fevereiro passou por um exame em tempo real, que constatou a covid-19. Exames feitos posteriormente confirmaram o diagnóstico.

O Ministério da Saúde informou que 30 parentes dele estão sendo monitorados, pois participaram de um almoço em família um dia antes do diagnóstico. Nenhum deles teria apresentado sintomas do vírus até o momento. Alguns chegaram a passar por exames, que deram negativo para a covid-19.

A expectativa é de que a quarentena do paciente termine no início da próxima semana. Não foram divulgados mais detalhes sobre a atual situação dele. A previsão inicial era de que ele fizesse acompanhamento médico por meio do telefone. Ele somente iria ao hospital em caso de o quadro de saúde se agravar.

Na tarde desta quinta-feira, o Ministério da Saúde divulgou que duas pessoas pessoas relacionadas a esse primeiro paciente contraíram o vírus por meio dele. Uma das pessoas pegou o coronavírus e passou para um segundo indivíduo.

O segundo caso

No sábado (29/02), o Ministério da Saúde anunciou que foi confirmado o segundo caso do novo coronavírus no Brasil. Conforme a pasta, o paciente contraiu a covid-19 na Itália.

Segundo uma nota divulgada pelo ministério, o paciente esteve em Milão, principal cidade da região italiana da Lombardia.

Ele desembarcou em São Paulo na quinta-feira (27) e, no dia seguinte, após apresentar dor de cabeça, dor muscular e febre, foi ao Hospital Israelita Albert Einstein, onde foi examinado e diagnosticado. Segundo o ministério, o paciente está com "quadro clínico leve e estável".

No hospital, em 24 de fevereiro passou por um exame em tempo real, que constatou a covid-19. Exames feitos posteriormente confirmaram o diagnóstico.

O Ministério da Saúde informou que 30 parentes dele estão sendo monitorados, pois participaram de um almoço em família um dia antes do diagnóstico. Nenhum deles teria apresentado sintomas do vírus até o momento. Alguns chegaram a passar por exames, que deram negativo para a covid-19.

A expectativa é de que a quarentena do paciente termine no início da próxima semana. Não foram divulgados mais detalhes sobre a atual situação dele. A previsão inicial era de que ele fizesse acompanhamento médico por meio do telefone. Ele somente iria ao hospital em caso de o quadro de saúde se agravar.

Na tarde desta quinta-feira, o Ministério da Saúde divulgou que duas pessoas pessoas relacionadas a esse primeiro paciente contraíram o vírus por meio dele. Uma das pessoas pegou o coronavírus e passou para um segundo indivíduo.

O segundo caso

No sábado (29/02), o Ministério da Saúde anunciou que foi confirmado o segundo caso do novo coronavírus no Brasil. Conforme a pasta, o paciente contraiu a covid-19 na Itália.

Segundo uma nota divulgada pelo ministério, o paciente esteve em Milão, principal cidade da região italiana da Lombardia.

Ele desembarcou em São Paulo na quinta-feira (27) e, no dia seguinte, após apresentar dor de cabeça, dor muscular e febre, foi ao Hospital Israelita Albert Einstein, onde foi examinado e diagnosticado. Segundo o ministério, o paciente está com "quadro clínico leve e estável".

Paciente com coronavírus

Em entrevista à TV Globonews, o infectologista David Uip — coordenador do Centro de Contingência do Coronavírus em São Paulo — disse que o homem viajou da Itália ao Brasil com uma máscara facial, o que reduz o risco de ter transmitido o vírus para outros passageiros.

Uip afirma que o paciente será acompanhado pela vigilância sanitária por meio de visitas e conversas telefônicas até que deixe de apresentar sintomas. "Depois, volta à vida normal", diz o médico.

Segundo o infectologista, a detecção de mais um caso do novo coronavírus era "absolutamente esperada", dado o intenso tráfego entre Brasil e Itália.

O homem é funcionário da corretora XP Investimentos, que confirmou o diagnóstico. A empresa enviou um comunicado a seus colaboradores informando o fato e orientando que todos aqueles que tenham passado por países de risco e tenham tido sintomas como dor de cabeça, febre, tosse ou falta de ar procurem ajuda médica e trabalhem de casa pelos próximos 14 dias.

Segundo a XP, o funcionário com a covid-19 participou de uma reunião logo após chegar ao Brasil. Os 10 colaboradores que participaram do encontro com ele estão sendo monitorados. Quatro deles, conforme a empresa, passaram por exames que apontaram negativo para a covid-19.

Em nota, a empresa afirma que o fato de um colaborador ter sido diagnosticado com a covid-19 "não acarreta nenhum impacto para os clientes e parceiros das empresas da companhia, e todas as operações prosseguem normalmente".

O terceiro caso

De acordo com o Ministério da Saúde, o terceiro paciente confirmado com o novo coronavírus é um administrador de empresas. O colombiano, que mora na capital paulista, viajou de São Paulo para a Espanha em nove de fevereiro. No dia 16 seguiu para a Itália. Seis dias depois, foi para a Áustria. No dia 28 de fevereiro foi para a Alemanha e depois retornou ao Brasil.

Nesta quarta-feira (4), conforme o Ministério da Saúde, o colombiano procurou atendimento médico no hospital Albert Einstein, pois apresentava sintomas como tosse, dor de garganta, dor de cabeça e coriza. Ele passou por exames que apontaram a Covid-19.

Conforme o Ministério da Saúde, o paciente está clinicamente bem e ficará em quarentena pelas próximas duas semanas. A pasta informou que fez levantamento no voo em que ele estava, para checar as pessoas que estavam nas fileiras próximas a ele, para que passem por monitoramento.

O quarto caso

A jovem de 13 anos diagnosticada com o novo coronavírus viajou de São Paulo para Lisboa, em Portugal, em 21 de fevereiro. No dia seguinte, de acordo com o Ministério da Saúde, ela embarcou para Milão, no norte da Itália (região em que há diversos registros de casos do vírus). Depois, seguiu de trem para Dolomitas, também na região norte da Itália.

"Ela esteve internada em um hospital (em Dolomitas), por lesão no ligamento e para uma correção cirúrgica", disse o ministro da saúde Luiz Henrique Mandetta, na tarde de quarta-feira. Segundo ele, a suspeita é de que a jovem tenha se machucado durante a viagem. "Ela retornou ao Brasil no último domingo (01/03)", relatou o ministro.

Segundo Mandetta, a jovem procurou um hospital particular em São Paulo na segunda-feira (2), mesmo sem apresentar sintomas. Ele disse que a garota teria decidido fazer os exames por ter ido à região italiana que tem diversos registros do vírus. Os primeiros exames deram positivos. Foi necessária uma contraprova, que atestou o vírus.

Apesar de ser assintomática, o Ministério da Saúde decidiu que a garota está entre os casos confirmados do novo coronavírus, pois levou em consideração os quatro critérios: pelo resultado positivo dos exames, pelo local provável de infecção (Itália), pela possibilidade da medicação após tratamento de uma lesão ter mascarado os sintomas e pela possibilidade de ainda ter sintomas nos próximos dias.

Os demais casos

Entre os primeiros casos registrados fora de São Paulo está o de uma jovem de 27 anos, que mora em Barra Mansa, no Rio de Janeiro. Conforme o Ministério da Saúde, ela viajou para a Itália e para a Alemanha entre os dias 9 e 23 de fevereiro. Segundo a pasta, ela começou a apresentar sintomas da covid-19 a partir de 17 de fevereiro. Ela somente procurou atendimento no início deste mês.

O segundo caso no Rio de Janeiro também é de uma mulher, de 52 anos, que viajou para a Itália.

Quando chegou no Brasil, ela procurou uma unidade de saúde particular porque estava apresentando os sintomas de febre, tosse, congestão nasal e conjuntivite. Com ela viajaram outras três pessoas, que estão sendo monitoradas pela secretaria de Saúde e pela Vigilância municipal. A paciente, que mora sozinha, está em isolamento domiciliar.

O secretário de Estado de Saúde, Edmar Santos, disse, em nota, que o Estado não tem transmissão ativa do vírus. "Os dois casos confirmados até agora são importados do exterior. Permanecemos no Nível Zero do nosso plano de contingência e não há razão para pânico. Os cuidados devem permanecer os mesmos que tomamos para a gripe", afirmou.

O caso confirmado no Espírito Santo é de uma mulher de 37 anos, que recentemente viajou para a Itália. O Ministério da Saúde não divulgou mais detalhes.

De acordo com a Secretaria de Saúde Estadual da Bahia, o caso no Estado é de uma mulher de 34 anos, moradora de Feira de Santana, que retornou da Itália em 25 de fevereiro, onde passou por Milão e Roma. Conforme a pasta, ela manifestou febre e problemas respiratórios após chegar ao Brasil. A paciente permanece em isolamento em sua casa, após exames na Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) confirmarem o novo coronavírus. Atualmente, segundo a secretaria, ela é considerada assintomática.

O caso suspeito é de uma mulher de 53 anos que mora no Distrito Federal e viajou, entre 25 de fevereiro e dois de março, para a Inglaterra e Suíça. Segundo o Ministério da Saúde, ela está internada em uma unidade de saúde. O quadro clínico dela não foi divulgado. Os primeiros exames deram positivo para a covid-19 e agora um laboratório referência do Ministério da Saúde fará a contraprova.

Cuidados

A principal recomendação de profissionais de saúde que acompanham o surto é simples, porém bastante eficiente: lavar as mãos com sabão após usar o banheiro, sempre que chegar em casa ou antes de manipular alimentos.

O ideal é esfregar as mãos por algo entre 15 e 20 segundos para garantir que os vírus e bactérias serão eliminados.

Se estiver em um ambiente público, por exemplo, ou com grande aglomeração, não toque a boca, o nariz ou olhos sem antes ter antes lavado as mãos ou pelo limpá-las com álcool. O vírus é transmitido por via aérea, mas também pelo contato.

Também é importante manter o ambiente limpo, higienizando com soluções desinfetantes as superfícies como, por exemplo, móveis e telefones celulares.

Para limpar o celular, pode-se usar uma solução com mais ou menos metade de água e metade de álcool, além de um pano limpo.

 

 

Fonte:PortaldoBanzeiro/BBCBrasil/Fotos:GettyImagens

 

 

 

Trinta e quatro brasileiros que viviam na cidade chinesa de Wuhan, epicentro da epidemia de coronavírus, chegaram ao Brasil na noite deste sábado (8). As duas aeronaves da Força Aérea Brasileira (FAB) com o repatriados aterrissaram à 1h48 e à 1h52 no Aeroporto de Fortaleza para abastecimento.

Eles permaneceram no local até às 3h25 e seguiram para Anápolis, em Goiás, onde ficarão em uma quarentena de 18 dias. A chegada à cidade goiana estava prevista para às 5h de domingo (9), conforme o Ministério da Defesa, mas atrasou.

Aviões da FAB na última parada antes do destino final com os brasileiros repatriados da China — Foto: Reprodução/GloboNews

Aviões da FAB na última parada antes do destino final com os brasileiros repatriados da China — Foto: Reprodução/GloboNews

Os aviões da FAB tiveram prioridade na solicitação de aterrissagem para reduzir o tempo de espera em solo e em voo, mas não houve mudança no horário de voos comerciais no Aeroporto de Fortaleza, de acordo com a Fraport, que administra o terminal.

Antes de Fortaleza, houve escalas em Varsóvia, na Polônia; e Las Palmas, na Espanha. O Palácio do Itamaraty, sede do Ministério das Relações Exteriores, divulgou neste sábado uma nota para agradecer os governos da Espanha, Polônia e China por terem permitido os pousos dos aviões brasileiros.

 

O governo decidiu organizar a operação de repatriação após apelo dos brasileiros que estavam em Wuhan. Governos de outros países também buscaram seus cidadãos na China.

Surto da doença

Desde o início do surto, no início do ano, a China registrou 812 mortes por coronavírus e 37.251 casos confirmados.

De acordo com a China Central Television (CCTV), a taxa de mortalidade caiu para 2% no país desde quinta-feira (6). Na província de Hubei (exceto Wuhan), a taxa é agora de 1,3%. Na cidade de Wuhan, epicentro do surto, a taxa foi para 4,1%. Segundo a emissora estatal, o declínio na província e na cidade está relacionado à chegada de mais equipes médicas.

No Brasil, são oito casos suspeitos do novo coronavírus e nenhuma confirmação, de acordo com o Ministério da Saúde. Os dados são do balanço divulgado às 13h30 deste sábado. Segundo o governo federal, já foram descartadas 28 suspeitas desde o começo do monitoramento.

 

O que será oferecido aos repatriados na quarentena

 

$1·    6 refeições diárias: café, colação, almoço, lanche da tarde, jantar e ceia (acompanhados por      nutricionistas)

$1·         Videogame, brinquedoteca, jogos, biblioteca, apresentação de bandas militares

$1·         Internet, TV a cabo, frigobar, geladeira sem itens alcóolicos

$1·         Serviço religioso

$1·         Emergência odontológica

$1·         Apoio psicológico e pedagógico

$1·         Além disso, eles serão submetidos a:

$1·         3 monitoramentos diários de saúde, feitos pela Secretaria de Saúde de Goiás

S

 

 

pPortaldoBanzeiro/G1/

 

 

 

 

 

 

 

 

O Ministério da Justiça e Segurança Pública passou a divulgar a partir desta quinta-feira (30) a lista dos criminosos mais procurados do Brasil em seu site. A iniciativa faz parte das ações de combate ao crime organizado determinadas pelo ministro Sérgo Moro, com o apoio de agentes de segurança pública federais e estaduais.

São informações sobre 27 criminosos cuja prisão é estratégica para o enfraquecimento da atuação criminosa no país. Entre eles, Luciano Castro de Oliveira, o Zequinha, considerado o cabeça de roubos de empresas de valores,  Gilberto Aparecido dos Santos, o Fuminho, braço direito de Marcos Willians Herbas Camacho, o Marcola, líder do PCC, e Juvenal Laurindo, o Carcará, que participou do assalto ao Banco Central de Fortaleza.   

"A análise seguiu 11 critérios, entre os quais estão a atuação interestadual e transnacional; rede de relacionamento; posição de liderança em organização criminosa violenta; capacidade financeira, entre outros", afirma o ministério.

As informações serão atualizadas mensalmente pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública e tem como objetivo contribuir com mais uma ferramenta na localização de criminosos para estados e DF.

A população também poderá colaborar com denúncias e informações pelos telefones do Disque-Denúncia das secretarias estaduais de Segurança Pública. Por contemplar nomes de criminosos de alta periculosidade, o ministério recomenda que as abordagens sejam realizadas apenas pelas forças policiais.

 

 PortaldoBanzeiro/R7/Foto:DivulgaçãoMJS

O Ministério da Saúde confirmou mais dois casos suspeitos de coronavírus no Brasil. Com isso, já são três os possíveis registros de infecção pela nova doença em território nacional.

Além do caso já divulgado de Belo Horizonte (MG), estão sendo investigadas suspeitas em Porto Alegre (RS) e em Curitiba (PR), de acordo com informe divulgado na noite desta terça-feira pelo Ministério da Saúde.

De acordo com a pasta, os pacientes se enquadram na classificação por apresentarem sintomas, como febre, tosse e dificuldade de respirar e ter histórico de viagem à China nos últimos 14 dias.

Os pacientes serão monitorados e ficarão isolados até que os resultados dos exames sejam divulgados, o que deve acontecer até o final da semana.

O novo coronavírus já infectou mais 4,5 mil pessoas, das quais 106 morreram. Além da China, 14 países já confirmaram infecções pela doença.

 

 

PortaldoBanzeiro/Estadão/Foto:Divulgação

Antônio Fagundes criticou a possível ida de Regina Duarte para a chefia da Secretaria Especial da Cultura, do governo de Jair Bolsonaro (sem partido). Em entrevista ao jornal O Globo o ator falou sobre o tema.

 

Par romântico de Fagundes em novelas como Vale Tudo, da Rede Globo, ele foi questionado sobre o cargo que Regina assumiria, e a fala de seu antecessor, Roberto Alvim, que citou um ministro nazista. “Tenho pena de artista que entra nessa jogada“, disse o ator. “Temos tanta coisa para fazer e o jogo sujo da política só pode trazer coisa ruim“, acredita.

 

“Torço para que a Regina não saia queimada”. Ele também fez críticas ao volume de verbas destinadas para a cultura no país. “O fato é que com dotação orçamentária de 0,6% ninguém consegue gerir um patrimônio cultural do tamanho do Brasil. Governo que destina essa quantia à Cultura não se interessa pelo Brasil. E esta, infelizmente, não é prerrogativa desse governo, acontece desde 1500”.

 

PortaldoBanzeiro/MSN/Foto:Divulgação

 

Pagina 1 de 2

Quem somos

Sejam bem vindos ao Portal do Banzeiro! Para entrar em contato conosco é muito simples. Envie seu email para: portaldobanzeiro@hotmail.com  Continue visitando nosso site. Por aqui, você se mantém sempre bem informado. Abraços!

 

Jornalista JP Melo 

GERAL

Envie sua mensagem

Escreva no espaço abaixo e não esqueça de colocar seu contato e email, por gentileza. Obrigada!